Sua colaboração vai nos ajudar a fazer o mundo melhor através do desenvolvimento social, cultural e educacional.

Arraste para escolher o valor

Clique e digite outro valor

R$


O Núcleo de Educação Integrada da Fundação Romi surgiu, em 1993, com o objetivo de influenciar políticas públicas de educação, no município de Santa Bárbara d'Oeste, S.P., criando um programa educacional que garantisse aos alunos desse município, no contraturno da escola regular, um ensino de qualidade que os incentivasse a uma maior escolarização e, consequentemente, a uma maior inserção no mercado de trabalho e mobilidade social. Estudos, referências e indicadores do próprio Governo, assim como dados das provas internacionais de avaliação do conhecimento apontavam para a fragilidade do ensino público.

Durante 20 anos, a Fundação Romi dedicou-se a esse Programa tendo como suas principais ferramentas o trabalho por projetos e o trabalho em grupo, chegando à comprovação de que essa modalidade de trabalho, visto como necessidade histórica do homem em somar esforços, diante da complexidade do mundo moderno, mostra-se uma excelente ferramenta para a consecução dos objetivos da escola.

A Escola começou com 40 alunos de 7ª série e 40 alunos de 8ª série em cada período, totalizando 160 alunos Eram oferecidas 3 áreas de estudo: Língua Portuguesa e Literatura, Língua Inglesa e Informática Educacional, a Linguagem Logo de programação, ferramenta para o desenvolvimento do raciocínio e resolução de problemas. No ano seguinte, foi acrescida a Matemática, com foco nos jogos de raciocínio e resolução de problemas. Em 1996, o currículo foi ampliado com a introdução da Música. Até, então, os alunos eram divididos por séries e em classes separadas. Dada à grande procura pelas vagas foi instituída uma prova de seleção que avaliava apenas a leitura e entendimento de textos e o raciocínio lógico-matemático. Como o programa atendia a todas as escolas do município, era difícil estabelecer conteúdos curriculares específicos. A cada ano, o número de interessados crescia, chegando a mais de 10 pretendentes para cada vaga. Em 2007, a Fundação Romi aumentou para 200 o número de vagas e, no ano seguinte, para 240. O Programa, na sua concepção inicial, abrangia todo o Fundamental I e o Fundamental II, porém a falta de recursos fez com que somente duas séries fossem contempladas. Foram escolhidas as duas séries finais, desse nível de ensino, porque acreditou-se que é, nessa idade, que as decisões para o futuro do jovem devem ser tomadas. A procura pelo programa aumentava à medida que eram conhecidos os resultados de sucesso obtidos pelos seus alunos.

Em 2005 algumas inovações foram introduzidas, iniciado desde o primeiro ano de funcionamento, já estava tornando-se rotina e, de um certo modo, representava uma acomodação. Foi feita, então, uma revolução no processo de ensino/aprendizagem. As classes como tais foram desfeitas e formaram-se grupos multiseriais com alunos das duas séries trabalhadas, de diferentes idades e de diferentes escolas. Ao todo foram formados 16 grupos, no período da manhã e 18 no período da tarde. Falar de interdisciplinaridade isolada do trabalho com projetos é impossível. Por interdisciplinaridade entendemos a busca de um conhecimento integral e totalizante do mundo, à semelhança do que acontece na vida real e não conhecimentos fragmentados conseguidos através de disciplinas estanques, compartimentadas. Passar de uma condição fragmentada para a integração de conteúdos é levar o aluno a perceber que problemas da vida real só serão solucionados com uma integração do saber. E é, justamente, essa integração do saber que motivou o trabalho com projetos de forma solidária e colaborativa através do trabalho em grupo. O trabalho com os grupos tornou possível a experimentação da vivência de uma realidade inserida, nas experiências cotidianas do aluno e do professor, substituindo procedimentos individualistas por uma forma cooperativa de trabalho.

A partir de um tema, o grande desafio do professor é integrar os saberes de sua disciplina ao projeto didático e o grande desafio para o aluno é integrar os vários conhecimentos que tem na consecução do produto final. Com essa forma de trabalho, um novo componente foi acrescido "" o desafio - além de três novas áreas de estudo que se somaram às anteriores: Ciências, Filosofia e Artes. Em 2010, viria a área de Expressão Corporal. Dentro do projeto didático, cada área apresenta o seu desafio envolvendo conteúdos significativos para o projeto. Esses desafios são colocados em pastas numeradas. Cada grupo retira a sua pasta e escolhe o melhor lugar para trabalhar; já nessa simples tarefa há que se buscar o consenso, trabalhar na parte interna do prédio, nos jardins etc. Isso se faz sem nenhum problema. Cada grupo escolhe o desafio que quer iniciar e a melhor forma de obtenção dos conhecimentos necessários para a resolução do desafio: ler os textos que acompanham os desafios, pesquisar na internet ou nos livros, experimentações. Após essa etapa, seguem-se as discussões dos resultados, a busca do consenso e a elaboração dos relatórios de como as coisas aconteceram. Os professores distribuem-se entre os grupos, ouvindo os alunos, tirando dúvidas e, sobretudo, observando o ritmo de cada um deles. Todos os professores podem atender qualquer grupo, não somente aquele que se ocupa da sua disciplina, o professor habilitado é chamado quando a dúvida não pode ser esclarecida pelo professor que está ali naquele momento. É importante observar que o professor aprende, também, com o grupo. Pretende-se utilizar esse modelo pedagógico no C.E.I.

O Programa de Educação Integrada recebeu a aprovação da comunidade e de seus professores em razão dos resultados que vem alcançando. A cada ano, um maior número de concluintes do ensino fundamental conseguiu aprovação em Escolas Técnicas públicas da região, como o Cotuca "" Colégio Técnico de Campinas (Unicamp) e o Cotil "" Colégio Técnico de Limeira (Unicamp) e as Etecs do Centro Paula Souza, embora, até agora, preparar para o vestibulinho não seja objetivo do Programa. Na escola pública, os alunos do Programa destacam-se pela liderança e disposição para ajudar os professores, em eventos e outras atividades, além da excelência acadêmica.

Nesses 20 anos, o Programa de Educação Integrada veio sendo mantido pela Fundação Romi, entidade beneficente de assistência social, sem fins lucrativos, tendo como missão "Promover o desenvolvimento social através da Educação e Cultura".

A Fundação Romi atua, na assistência social em Santa Bárbara d'Oeste, há 56 anos, não somente na área de Educação, onde desenvolve o Programa de Educação Integrada, com escolares do Ensino Fundamental e o CEDIN, Centro de Vivências do Desenvolvimento Infantil, projeto de Educação Infantil, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, como também, na área de Cultura com o CEDOC "" Centro de Documentação Histórica e a Estação Cultural.

A Fundação Romi ocupa um espaço de 50.000 metros quadrados na esquina entre as Avenidas Monte Castelo e João Ometto, numa área residencial, fazendo parte do bairro Jardim Primavera e Jardim Panambi. Situa-se em frente à Prefeitura Municipal e conta com um terminal de ônibus a poucos metros de sua localização, além de estar ao lado do futuro corredor metropolitano e seu terminal rodoviário. Ela busca a excelência e modernidade em todos os contextos, incluindo a prestação de todos os serviços e amenidades. O espaço educacional tem sido constantemente atualizado de acordo com os mais altos padrões de qualidade de ensino.

O espaço do Núcleo de Educação Integrada conta com 5 salas de trabalho, 3 laboratórios de informática com 51 computadores para alunos, 1 sala de Ciências, 1 sala de Artes, 1 sala de Expressão Corporal, 1 sala de música com piano e diversos instrumentos musicais, 1 anfiteatro com 50 lugares, sala de professores, almoxarifado, secretaria e sala da direção.

Os aperfeiçoamentos, em 2009, incluíram: a criação de um amplo espaço expositivo sobre a história da cidade, onde é desenvolvido um Programa de Educação Patrimonial cadastrado como "Programa Cultura é Currículo: Lugares de Aprender", da FDE - Fundação para o Desenvolvimento da Educação do Governo do Estado de São Paulo, programa da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo; um anfiteatro com capacidade para 150 pessoas, uma área onde funciona o setor administrativo da Entidade, uma sala de reuniões, uma sala para atividades da Educação Patrimonial, uma biblioteca, 1 refeitório, 2 salas de oficinas temáticas e 2 salas para a futura instalação de Educação Física.

Em 2010, foi criado um Programa de Educação Infantil, independente, situado em outro prédio, onde funciona o CEDIN, Centro de Vivências do Desenvolvimento Infantil, que trabalha com crianças de 3 a 5 anos, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Santa Bárbara d'Oeste.

Todos esses três prédios, NEI "" Núcleo de Educação Integrada, CEDIN "" Centro de Vivências do Desenvolvimento da Educação Infantil e CEDOC "" Centro de Documentação Histórica fazem parte do complexo educacional da Fundação Romi.

Hoje em dia, o NEI "" Núcleo de Educação Integrada é um local dinâmico, de aprendizagens interessantes e significativas que fazem do espaço educativo um local agradável, onde o aluno vem porque gosta. A proposta pedagógica, abrange o currículo oficial e diversas áreas do conhecimento que através da interdisciplinaridade e desafios, desenvolve a autonomia e a capacidade de socialização de seus alunos, com certificação oficial, ganhou o reconhecimento da comunidade por seus altos padrões e expectativas grandiosas para sua clientela.
Princípios e Valores Fundamentais
A educação influencia e reflete os valores da sociedade e o tipo de sociedade que se quer ser. É importante, portanto, reconhecer uma ampla gama de valores e objetivos comuns que sustentam a filosofia, métodos e currículo da Escola.

Os princípios e objetivos básicos dos sistemas educacionais brasileiros, como expresso na LDB 9394/96 e legislação suplementar, é fundamentado nos princípios de liberdade de expressão, igualdade de oportunidades e no desenvolvimento do jovem como um indivíduo, um cidadão de futuro e um profissional trabalhador. O principal fator é uma crença na educação, em casa e na escola, como uma rota para o desenvolvimento espiritual, moral, social, cultural, físico e mental e, portanto, o bem estar do indivíduo e da sociedade. Educação também implica inclusão, um caminho para a igualdade de oportunidades para todos, democracia saudável e justa, uma economia produtiva e desenvolvimento sustentável. A educação deve refletir os valores permanentes que contribuem para esses fins. Estes incluem a valorização do indivíduo, de sua família e de outros relacionamentos, dos grupos mais amplos aos quais pertence, da diversidade na sociedade e do ambiente em que vive. A educação deve também reafirmar o compromisso com as virtudes da verdade, justiça, honestidade, confiança, solidariedade e senso de responsabilidade.

Paralelamente, a educação deve possibilitar a interação entre o indivíduo e o meio, de forma a corresponder às constantes transformações da sociedade na qual irá atuar.

Particularmente, há necessidade do preparo para participação integral na sociedade como indivíduo, chefe de família, trabalhador e cidadão e ter a capacidade de lidar com mudanças econômicas, sociais e culturais, com a contínua globalização da economia e da sociedade, com novos padrões de trabalho e lazer e com a rápida expansão das tecnologias de informação e comunicação.

A Escola tem uma visão clara de seus objetivos educacionais e dos princípios e valores nos quais eles estão baseados. Além disso, ela desenvolveu estratégias e procedimentos para atingir esses objetivos, descritos abaixo na Declaração da Missão da Escola.

Missão
O Centro de Educação Integrada visa a proporcionar aos alunos uma educação acadêmica de alta qualidade e um conjunto equilibrado de valores, em um ambiente de respeito, solidariedade e responsabilidade, baseado no melhor dos princípios educacionais, de uma maneira tal que eles vivenciem a cidadania, no seu dia a dia, preparando-os para a vida profissional em um mundo de diversidade, concorrência e mudanças.

Valores
A Escola visa a inculcar no aluno:

1. Um conjunto equilibrado de valores, de modo que, no momento em que saírem da Escola, eles reconheçam e aceitem suas responsabilidades perante a sociedade em que vivem.
2. As virtudes de disciplina, honestidade, lealdade, cooperação e trabalho árduo, estimulando a perseverança e o estudo paciente, um senso de orgulho em suas conquistas, de autoestima, além de tolerância e apreço aos outros.
3. Uma apreciação adequada dos costumes e tradições do Brasil e das virtudes da diversidade cultural.

Receba nossas novidades

19 3499.1555

Av. João Ometo, 118, Jd. Panambi - Santa Bárbara d'Oeste, SP

Que tal uma visita?

© Fundação Romi - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por