Sua colaboração vai nos ajudar a fazer o mundo melhor através do desenvolvimento social, cultural e educacional.

Arraste para escolher o valor

Clique e digite outro valor

R$

Educadores do Núcleo de Educação Integrada participam do I Seminário Internacional de Educação para o Século XXI




Voltado para profissionais da educação que atuam em todos os graus de ensino, psicopedagogos, psicólogos, alunos de graduação e pós-graduação, o I Seminário Internacional de Educação para o Século XXI, que aconteceu entre os dias 05 e 07 de março, no Centro de Convenções da UNICAMP, contou com a presença de pesquisadores de renome nacional e internacional interessados em discutir as possíveis medidas necessárias para melhorar a qualidade da educação. Criar espaços para reflexão e debates sobre a Educação que se fundamenta nos quatro pilares da Educação do Século XXI e de temas que estão intimamente relacionados com os saberes e fazeres dos profissionais da educação foi o objetivo principal deste evento.

O Seminário Internacional – organizado e promovido pelo Laboratório de Psicologia Genética da Faculdade de Educação da UNICAMP –, firmou-se como um espaço de aprofundamento e ampliação de conhecimentos, permitindo a discussão e a reflexão sobre a Educação do Século XXI a partir dos quatro pilares propostos por Jacques Delors: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a ser e aprender a viver juntos, os quais foram adotados pela UNESCO e declarados em seu relatório Educação: um tesouro a descobrir.

Ainda segundo os organizadores do evento, a partir desses quatro pilares, os profissionais da educação podem escolher com mais segurança dentre as práticas educativas que utilizam quais são as mais eficazes a fim de que os alunos possam aprender a conhecer, pois consideram prazeroso o ato de compreender ou construir o conhecimento. Para isso, é necessário que o aluno construa as estruturas de pensamento específicas para conhecer, por meio das quais desenvolvem o raciocínio dedutivo, indutivo e a memória que possibilitam a aquisição do conhecimento físico, do conhecimento lógico matemático e o do conhecimento social, os quais correspondem a todos conteúdos das disciplinas que compõem os currículos da educação infantil ao ensino médio. Nesse sentido, para que a qualidade de nossa educação melhore, é imperativo que esses quatro pilares sejam considerados igualmente.

Para a Educadora do Ensino Infantil do Núcleo de Educação Integrada, Danielle P. Ribeiro Savi, “a importância de estarmos presentes no I Seminário Internacional de Educação para o Século XXI, foi a oportunidade de criarmos espaços de aprofundamento e ampliação de conhecimentos, que permitisse a nós, profissionais da educação, a discussão e a reflexão sobre a Educação para o nosso século, e assim, agregar conhecimento e ferramentas para o aprimoramento das práticas pedagógicas à nossa escola. A Educação se dá na relação entre sujeitos. Portanto, é o encontro entre pessoas, entre histórias e experiências diversas uma das maiores riquezas do processo educacional, essa possibilidade de troca de experiências e saberes é uma das potencias da escola.

Ericka Vitta, Diretora da escola da Fundação Romi, afirma que “'Pensar a Educação para o século XXI', no qual já estamos inseridos, requer dos educadores em especial, estudos profundos sobre as necessidades que a contemporaneidade nos impõe. Vivemos num outro contexto social, a diversidade, a comunicação, a colaboração, o pensar em 'rede' são termos em pauta, viver no século XXI é um desafio por si só. A escola é chamada a se reinventar, reformular o pensamento, desconstruir arquétipos , rever conceitos e sobretudo cumprir sua função social, agora não mais a de informar e sim formar.”

Além de uma série de apresentações de trabalhos científicos e debates, os três intensos dias oportunizaram a interação com grandes nomes. Dentre os destaques do seminário sobressaíram: “A escola e a construção de competências para a educação desse século” ministrada por Maria Inês Fini, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) do Ministério da Educação; “A teoria de Jean Piaget como fundamento da educação deste século?” da Profa. Dra. Zélia Ramozzi-Chiarottino, Prof. Sênior Titular da USP; e, “A Educação deste século e o construtivismo piagetiano” apresentada pela Profa. Dra. Orly Zucatto Mantovani de Assis do Laboratório de Psicologia Genética da Faculdade de Educação da UNICAMP.

Ericka conclui que “nossas crianças e jovens devem construir competências que os possibilite transformar esse mundo, caótico, que estão recebendo como herança de uma sociedade descompromissada com a Ética e a Cidadania. Estudar, refletir, rever práticas, se despir da vestimenta de detentores absolutos do conhecimento para vestir, agora sim, uma nova roupagem que nos permita ousar, criar e, sobretudo, ouvir e dar espaço para que nossos alunos sejam literalmente os protagonistas. Não há outro caminho para tais propósitos que não seja o aprender a aprender, a ser, a conviver e a fazer e construir uma nova história para educação desse país”.

As instituições de ensino com sala de aula, lousa, alunos enfileirados, professor e livro didático surgiram no século XIX. Essa metodologia tradicional encaixota o aluno num papel passivo, simplesmente ouvindo as explicações. Ao inverter esse modelo e fazer com que o jovem, o adolescente e a criança vivenciem as aulas fora do ambiente regular de uma escola, a resultante é um aumento, efetivo, na participação em classe, mas principalmente, na construção do conhecimento. O desafio da Educação para o Século XXI está em prover aulas menos expositivas, mais produtivas e participativas, capazes de engajar os alunos no conteúdo e otimizar o tempo e conhecimento do educador. No momento em que o espaço escolar passar a ser dialógico, a oportunizar ao aluno conexão com aquele lugar e a contextualizar os conhecimentos às suas vivências, este aluno, naturalmente, motiva-se aos estudos. “O aluno assume o protagonismo de sua formação, compreendendo que seu desenvolvimento e evolução dependem, sobretudo, de como ele mesmo lida com o processo de aprendizagem (Problem-Based Learning – PBL)”, reitera Ericka Vitta, Diretora Núcleo de Educação Integrada.

Receba nossas novidades

19 3499.1555

Av. João Ometo, 200, Jd. Panambi - Santa Bárbara d'Oeste, SP

Que tal uma visita?

© Fundação Romi - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por