Sua colaboração vai nos ajudar a fazer o mundo melhor através do desenvolvimento social, cultural e educacional.

Arraste para escolher o valor

Clique e digite outro valor

R$

Ericka Vitta, diretora do Núcleo de Educação Integrada, participa de evento no Instituto Federal de São Paulo.



foto: divulgação Câmpus Campinas do Instituto Federal de São Paulo

A Coordenadoria Sociopedagógica do Câmpus Campinas do Instituto Federal de São Paulo promoveu, nos dias 1º e 2 de fevereiro, a programação do Planejamento Docente 2018. Entre as atividades da programação, a realização da conferência “As relações interpessoais e a aprendizagem humana”, proferida pela Diretora do Núcleo de Educação Integrada da Fundação Romi, Ericka Vitta. A diretora do NEI compartilhou sua experiência em processos educativos, dando ênfase em temas como aprendizagem ativa, aproximação afetiva, empatia, individualização da aprendizagem e educação integral.

Entre os pontos destacados pela educadora, a identificação das necessidades reais de cada turma, o fortalecimento das relações, a aproximação com o estudante e a empatia, como molas propulsoras para melhorar o processo ensino-aprendizagem e o rendimento acadêmico.

A relação aproximativa entre o Câmpus Campinas do Instituto Federal de São Paulo e o Núcleo de Educação Integrada iniciou no segundo semestre de 2017, quanto o NEI recebeu a ilustre visita do Pós-Doutor Pedro Augusto Pinheiro Fantinatti e de sua equipe, a Assistente Social do IFSP Campus Campinas, Eliane Ferreira dos Santos, a professora Cecília Pereira de Andrade, Docente de Matemática, e o graduando André Jonas da Silva, aluno de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. O objetivo da visita foi o intercâmbio de saberes acerca do método que a escola da Fundação Romi emprega e desenvolve suas atividades escolares: Problem-Based Learning.

Problem-Based Learning – o Aprendizado Baseado em Problemas (PBL) destaca o uso de um contexto para o aprendizado, promove o desenvolvimento da habilidade de trabalhar em grupo, e também, estimula o estudo individual de acordo com os interesses e o ritmo de cada estudante. O aprendizado passa a ser centrado no aluno, que sai do papel passivo para o de agente e principal responsável pelo seu aprendizado. Os educadores atuam como tutores (ou facilitadores) nos grupos e têm a oportunidade de conhecerem bem os estudantes e de manterem estreito contato com eles, durante todo o desafio.

“O aprendizado baseado na resolução de problemas, empregado no Núcleo de Educação Integrada por meio de desafios transversais, tem por essência a potencialização do processo de aprendizagem, o desenvolvimento da autonomia dos alunos e o estímulo às competências socioemocionais das crianças, adolescentes e jovens”, explica Ericka Vitta.

Receba nossas novidades

19 3499.1555

Av. João Ometo, 200, Jd. Panambi - Santa Bárbara d'Oeste, SP

Que tal uma visita?

© Fundação Romi - Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por